12 de março de 2021

|

por: stella

|

Categorias: Sem categoria

Semana da Mulher – Por Gislaine

image.png

Minha história – Gislaine

Sou Gislaine Gebra Rizk Leal, mãe da Luisa, de 6 anos, paciente da Ludens; e do Pedro, de 4 anos. Sou enfermeira há 16 anos e há 11 atuo na prefeitura municipal de Louveira, na área de assistência domiciliar. Meu marido é médico.

Busquei a Ludens porque eu precisava do melhor serviço de referência em Integração Sensorial para melhorar a qualidade de vida da Luisa. A indicação da terapia ocupacional já veio do neuro, Dr. Marcos Duran, que nos apresentou os benefícios do tratamento. Se perdêssemos mais tempo na busca de ajuda profissional, talvez ela não tivesse tido tantos ganhos. Quanto mais rápido a gente for, melhor qualidade de vida para as crianças, pois hoje em dia existem muitos profissionais que podem ajudar na reabilitação delas. Temos que nos conscientizar disso.

Eu já percebia que a Luisa tinha uma dificuldade de atenção, de ficar quieta nos lugares, colocava os objetos na boca e a professora um dia me chamou para uma reunião e me apresentou o comportamento dela também na escola.

A princípio procurei uma fonoaudióloga especialista em educação e ela também fez o diagnóstico de que a Luisa precisava de um atendimento de terapia ocupacional devido à sua demanda sensorial. Conheci a Lígia e em janeiro de 2020 ela iniciou o tratamento e minha filha teve uma melhora significativa. Hoje ela vai uma vez por semana na clínica, estamos fazendo alguns ajustes ainda, mas a Luisa é outra criança, principalmente nas aulas da escola.

Eu até achava que o Pedro tinha algumas características como a Luisa e levei para avaliação, mas ele não precisou de tratamento, apenas fazer esportes. Intensificamos as atividades físicas em casa.

Nova realidade
No meio da pandemia, eu saí do meu segundo emprego na emergência pediátrica da Unicamp, onde já acompanhei muitas crianças com as mesmas dificuldades da minha filha. Tive que abrir mão dessa conquista profissional e foi uma decisão muito difícil, muito dura, mas eu tive que optar entre os dois empregos. Acabei escolhendo ficar no local onde eu não trabalhava aos finais de semana e feriados por conta das crianças que precisavam da minha atenção.

Desde o ano passado, fizemos mudanças no estilo de vida em casa e voltei a praticar atividades físicas que ficaram esquecidas desde a maternidade. Eu faço musculação, pilates e adoro spinning. Hoje voltei a olhar para aquela Gislaine que ficou lá atrás, esquecida em algum lugar, e comecei a me dedicar à minha saúde e a cuidar mais de mim. Já perdi 12 quilos e retomei a minha autoestima.

Sou filha única e tenho como principal referência de mulher minha mãe, que serve de apoio em todas as horas, com garra e determinação, e sempre nos ensinou o certo e o errado. Minhas avós e tias também são meus exemplos, minha mãe tem muitas irmãs e todas são meu porto seguro e minhas referências.