16 de setembro de 2019

|

por: ludens

|

Categorias: Novidades de Tratamento

Os prejuízos da má postura

Um hábito muito comum em crianças é sentar na posição em “W”, ou seja, com os joelhos virados para trás. Na correria do dia-a-dia, essa postura até passa despercebida, mas não deveria. É o que afirmam a terapeuta ocupacional Mayra Cappellaro Galante e a fisioterapeuta Melissa Gurgel Marchini, ambas da Clínica Ludens. Elas são unânimes em dizer que a posição pode acarretar problemas no desenvolvimento motor da criança e que irá levar para a vida adulta.

“A posição sentada é uma das formas mais utilizadas pelos bebês nos seus primeiros anos de vida e auxilia no aumento da estimulação do desenvolvimento motor e no cuidado da postura, pois permite que a criança mova ambos os braços enquanto a cabeça e o tronco estão em uma posição mais ereta”, explica Melissa. “Mas ao procurar estabilidade e um conforto maior na hora de brincar, a grande maioria das crianças procura formas de modificar a posição sentada, adquirindo uma postura incorreta e abrindo espaço para futuras patologias” complementa.

A posição em “W” é uma delas, pois permite à criança experimentar um grande aumento da base de sustentação quando comparada com outras posturas sentadas. Porém, em excesso, pode vir a ocasionar disfunções motoras uma vez que a criança ainda tem músculos, ossos e ligamentos em formação e os mesmos acabam sendo mais flexíveis, portanto, mais deformáveis.

 

O que leva ao sentar em W

Se a posição virar hábito, Mayra indica uma análise mais a fundo dos motivos que levam a criança à postura inadequada, que podem ser:

MOTIVO 1 – falta de equilíbrio e ajustes posturais: a criança busca a posição por ter uma base maior em contato com o chão, dando-lhe maior estabilidade no tronco.

MOTIVO 2 – processamento proprioceptivo inadequado e alta tolerância à dor: a propriocepção é um dos sentidos do corpo e é definida como a capacidade de perceber a localização, posição e orientação do corpo no espaço, reconhecer a força exercida pelos músculos e o movimento das articulações sem utilizar a visão. Se a informação que chega pelos receptores proprioceptivos não está sendo processada corretamente pelo cérebro, a criança pode ter dificuldade em assumir uma postura adequada e o limiar para reconhecimento da dor pode ser reduzido.

MOTIVO 3 – falta de repertório corporal e motor: a criança que permanece nessa postura para brincar deve ser estimulada a descobrir seu corpo, seus limites e em diversos tipos de atividade.

 

Consequências da postura errada

De acordo com as profissionais, ao manter-se por um longo tempo em W-sit (termo em inglês para a posição W), a criança pode ter alterações como: rotação interna dos quadris, com maior risco de luxação, rotação interna da tíbia, anteversão da cabeça do fêmur, encurtamentos musculares, contraturas, alterações nos joelhos/pés, atraso no controle e equilíbrio do tronco e limitação das transferências e descargas de peso corporal, não fortalecendo os grupos musculares. “A manutenção dessa posição prejudicará, ainda, controle de tronco, equilíbrio, capacidade de cruzar a linha média, definição da dominância manual, desenvolvimento da consciência corporal e consequentemente o desenvolvimento motor num geral”, finaliza Mayra.