14 de outubro de 2019

|

por: ludens

|

Categorias: Novidades de Tratamento

Integração Sensorial e a Paralisia Cerebral

A criança com Paralisia Cerebral pode apresentar disfunções nos sistemas neuromuscular, musculoesquelético e também no sistema sensorial: tátil, proprioceptivo, vestibular, visual e/ou auditivo.
Essas disfunções dificultam sua participação ativa e autonomia na rotina diária, principalmente no brincar, que é a sua principal atividade.

A fim de melhorar o potencial dessa criança e após uma criteriosa avaliação, a Integração Sensorial (IS) atua de forma efetiva no tratamento, muitas vezes sendo associada a outras abordagens, como o conceito neuroevolutivo Bobath, a estimulação visual e a Teoria da Aprendizagem Motora. Todo o processo necessita da participação ativa da família para que o resultado apareça.

A terapeuta ocupacional da Ludens, Cynara F. Bernardes Rosa, responde algumas dúvidas comuns sobre a relação Paralisia Cerebral e Integração Sensorial. Confira:

Quais são as principais atividades que a criança com PC deve realizar durante a prática de IS?

Na IS, as crianças participam ativamente das atividades. A motivação intrínseca e o envolvimento delas são essenciais. O contexto da terapia é o brincar, monitorado por um terapeuta atento que deve identificar os interesses da criança e oferecer experiências sensoriais adequadas para a obtenção de respostas adaptativas. A IS permite a realização de experiências sensoriais como escalar, escorregar, brincar na piscina de bolinhas, entre outras, sempre com o objetivo terapêutico definido. No caso da criança com Paralisia Cerebral, a alteração do tônus muscular, as compensações, o mal alinhamento e os padrões de fixação devem ser observados com atenção.

Quais os principais resultados as crianças com PC têm após o tratamento com IS? E em quanto tempo esses resultados começam a aparecer?

O objetivo dessa intervenção é a melhora do processamento sensorial e o ganho de respostas da criança, que podem ser motoras, atenção/alerta, interação, planejamento motor e participação social. Essas respostas possibilitam uma maior autonomia nas atividades diárias como, por exemplo, brincar, se alimentar, fazer atividades escolares.
Os resultados são considerados a partir do quadro de cada criança. Um sorriso já é uma resposta, assim como o desempenho de atividades como escrever o próprio nome, fazer uma refeição sozinho e abotoar o botão da calça.

A IS é essencial para o tratamento da criança com PC?

Não consigo pensar na possibilidade do tratamento da criança com PC sem a IS. Essa abordagem possibilita à criança com o atraso no desenvolvimento neuropsicomotor ter experiências sensoriais que não seriam possíveis no seu dia-a-dia. As experiências sensoriais registradas e processadas possibilitam que a criança perceba e controle melhor seu corpo e interaja mais com o ambiente, tendo a base para aquisição da função e autonomia.