30 de agosto de 2019

|

por: ludens

|

Categorias: Novidades de Tratamento

Hábito alimentar começa na infância

Por Bruna Lessa, nutricionista

Em ocasiões especiais, o comer em companhia proporciona momentos prazerosos àqueles que querem estar juntos e que gostam de compartilhar tradições e novas experiências. Para as crianças e adolescentes, são excelentes oportunidades para que adquiram bons hábitos e valorizem as refeições feitas em ambientes harmoniosos e também descontraídos.

A formação do hábito alimentar se inicia na infância e por isso deve-se incentivar as crianças, desde cedo, a terem uma alimentação saudável e equilibrada, que faça bem e promova o desenvolvimento e crescimento. Refeições feitas em companhia evitam que se coma rapidamente, favorecem ambientes de comer mais adequados, pois refeições compartilhadas demandam mesas e utensílios apropriados e estimulam o compartilhamento de responsabilidades na alimentação.

Os pais são responsáveis por definir o que a criança vai comer, quando, como e onde serão realizadas as refeições. Já as crianças e os adolescentes são responsáveis por definir o quanto e se vão comer. Dessa forma, os pais devem guiar a formação do hábito alimentar das crianças com a confiança de que elas sabem se devem comer e o quanto devem comer, respeitando seus sinais de fome e saciedade. Algumas crianças e adolescentes possuem dificuldades alimentares, como apetite limitado, seletividade e medo de se alimentar, ocasionando à família momentos de angústia.

Muitas vezes, devido a essas dificuldades, crianças e adolescentes passam a participar de diferentes terapias que favorecem o desenvolvimento neuropsicomotor.  Logo, o cronograma familiar pode dificultar a realização das refeições em família ou até mesmo sua realização em ambientes adequados, tendo de haver uma adaptação à rotina. Nesses casos, os pais não devem se desesperar, mas sim, se planejar e organizar momentos juntos para que a criança seja beneficiada com uma alimentação equilibrada.

O profissional nutricionista, por sua vez, tem um importante papel na condução das famílias em direção à formação de hábitos alimentares saudáveis. Ele pode também compreender a conjuntura familiar e oferecer sugestões de cardápios saudáveis e práticas cotidianas que podem contribuir para a saúde da criança, do adolescente e de toda a família, adequando cada plano terapêutico à sua realidade.

Uma dica importante: faça da preparação de refeições e do ato de comer momentos privilegiados de convivência e prazer.