140x140

Terapia Ocupacional - Grafomotricidade

Grafomotricidade é o conjunto das funções motoras referente ao desenvolvimento da atividade gráfica, ou seja, é a soma de habilidades básicas para o desenvolvimento da pré-escrita e escrita.

A escrita é a atividade mais elaborada e complexa da função manual, e quase indispensável para a aprendizagem e bom desempenho acadêmico. Para que ela seja adquirida, temos que considerar alguns componentes que contribuem para o seu desenvolvimento que são:

  1. Componentes Neuromotores (tônus musculares; arcos de movimento; força muscular; capacidade de estabilização proximal-distal);
  2. Postura Correta (manutenção da postura ereta na cadeira; adequação da carteira e cadeira escolar);
  3. Retroalimentação Sensorial;
  4. Desenvolvimento da Preensão e Destreza manual;
  5. Coordenação Olho-mão ou Integração Viso motora - o controle motor ocular guia a visão ao objeto e a mão. Esse componente é necessário para o bom desempenho em atividades da vida diária como a alimentação, o vestir e despir, a higiene pessoal, em atividades recreativas de jogo e esporte e também no uso de ferramentas e materiais escolares como o lápis, borracha, apontador, tesoura etc.;
  6. Coordenação Bilateral – Cada uma de nossas mãos desenvolve habilidades motoras finas independentes, contudo, uma mão tem que coordenar-se com a outra para completar atividades básicas, como aplaudir, segurar um objeto com as duas mãos, pegar dois objetos, mover um contra o outro, agarrar no balanço, empurrar um carrinho, sustentar uma caixa enquanto tira e coloca objetos, fechar uma bolsa, escrever, abotoar/desabotoar, passar um fio por um orifício, cortar, teclar.

A dominância e preferência manual no desenvolvimento é definida entre 4 e 6 anos e nessa fase já podemos identificar e avaliar se o desenvolvimento das funções manuais está ocorrendo satisfatoriamente diante das atividades que são solicitadas da criança, principalmente na fase pré escolar e escolar.

Podemos observar como a criança está usando o lápis, como está fazendo o agarre ou preensão, e a sua manipulação. Além disso, se ela está colocando força excessiva ou pouca força ao segurar o lápis. Outro aspecto importante nessa fase é observar também como a criança faz uso dos materiais escolares como tesoura, lápis de cor, apontador, borracha, régua para nos dar referência de como o ocorre seu desenvolvimento grafomotor.

Ao longo do desenvolvimento da escrita, as funções motoras se tornam mais refinadas e concomitantemente os registros que vão desde as garatujas, desenho da figura humana, o desenho estruturado e a escrita propriamente dita, se estabelecem.

Quando isso não ocorre na fase da alfabetização, vamos nos deparar com uma escrita ilegível, letras distorcidas, inversões de letras, falta de espaçamento entre letras e palavras, uma escrita que não se mantém dentro das linhas e as letras parecem flutuar na página.

As crianças podem se queixar de dor na mão e cansaço, serem muito lentas ao escrever, não completam as tarefas, e se frustram por não acompanharem o ritmo da sala.

Geralmente, o encaminhamento é feito por solicitação da escola, quando o professor já em etapas iniciais escolar observa alterações no desempenho grafomotor da criança.

O terapeuta ocupacional é o profissional da área de saúde mais capacitado para avaliar e tratar a criança que apresenta dificuldade e/ou atraso no desenvolvimento gráfico.  É esse profissional que avalia as condições motoras e sensoriais que podem estar influenciando na função manual.

O tratamento consiste em orientar os exercícios para a musculatura intrínseca e extrínseca da mão, atividades para a coordenação motora fina, traçado e indicação de adaptadores de lápis e adequação do ambiente escolar.

Para crianças com a queixa de dificuldades acadêmicas com relação a escrita.

Existem avaliações específicas que vão determinar as dificuldades e o grau de atraso no desenvolvimento da escrita. São elas:

  1. Berry VMI
  2. Bayley
  3. BOT2
  4. ABC Movement - Movement Assessment Battery for Children