O que é Fonoaudiologia?

“É uma ciência que tem como objeto de estudo a comunicação humana, no que se refere ao seu desenvolvimento, aperfeiçoamento, distúrbios e diferenças, em relação aos aspectos envolvidos na função auditiva periférica e central, na função cognitiva, na linguagem oral e escrita, na fala, na fluência, na voz, nas funções orofaciais e na deglutição” (texto aprovado pelo Plenário do CRFa em março de 2004).

Segundo o Conselho Regional de Fonoaudiologia, “o profissional da área é responsável pelos cuidados da audição, da linguagem oral, da articulação da fala, da voz, da fluência, da leitura e escrita e dos sistemas orofacial e de deglutição, tanto em termos de promoção e prevenção da saúde, quanto com ações de avaliação, diagnóstico, terapia das alterações de tais funções e orientação à família, cuidadores e outros profissionais”.

Métodos e técnicas

Mais um recurso técnico para atuação na reabilitação da musculatura com motricidade orofacial comprometida. Consta de deslizamentos e manobras específicas sobre a musculatura orofacial. Tessitore, 1995 (4) descreveu o emprego da manipulação profunda sensoperceptiva (MPS) com estimulação nos pontos motores da face.

Indicações: patologias que comprometem a motricidade orofacial, paralisia facial, síndromes, respirador oral, encefalopatias.

Dr. Rodolfo Castillo Morales elaborou um método para trabalhar com pessoas que apresentam alterações neurológicas. Ele parte do princípio de que cada indivíduo precisa de combinações de conceitos e métodos diferentes, assim o tratamento deve seguir a personalidade e características de cada um. Por isso, ele tem influências e utiliza outras metodologias como o conceito Bobath. O método Castillo Morales consiste em estimular, através de contato, vibração, pressão e deslizamento das mãos em determinados pontos, com massagens. Ele desenvolveu duas vertentes principais: a terapia de desenvolvimento neuromotriz e a terapia de regulação orofacial.

Indicações: paralisia cerebral, síndromes, encefalopatias.

Kinesio Taping é uma técnica de bandagem funcional com propriedades elásticas, desenvolvida na década de 70, no Japão, pelo quiropraxista Kenzo Kase. É realizada através do uso de fita de Kinesio (Kinesio Tape), fabricada em algodão com até 140% de elasticidade, que dispõe de cola sem látex para fixar na pele (evitando obstruções), resistente à água ou transpiração e não possui remédios em sua composição, pois quando aplicada na pele, ocasiona estímulos mecânicos e sensoriais.

Indicações: síndromes, encefalopatias, patologias que acometem a motricidade orofacial.

É uma sigla que representa os componentes motores, organização oral, demandas respiratórias e contato e controle dos olhos. O método M.O.R.E. identifica e aplica elementos, brinquedos e itens que podem facilitar a integração da boca com o desenvolvimento sensorial e postural, bem como a autorregulação e atenção do paciente. Também desenvolve o potencial terapêutico de brinquedos motores orais e atividades destinadas a melhorar o desenvolvimento integrado da postura sensorial e funções de fala e linguagem.

Indicações: motricidade oral, paralisia cerebral, apraxia, síndromes.

Técnica de reabilitação neuromuscular que utiliza os reflexos e os estímulos sensitivos para inibir ou provocar uma resposta motora, sempre respeitando os princípios da normalização do tônus e da experimentação de um movimento ou de um controle estático normal. Em relação à fonoaudiologia, utiliza de técnicas e manuseios para atenuar ou extinguir as alterações geradas pela lesão nas funções de sucção, mastigação, deglutição e respiração.

Indicações: paralisia cerebral, síndromes, encefalopatias.

A técnica de Integração Sensorial é de uso exclusivo da Terapia Ocupacional. Por estar presente em áreas como comunicação, fala e linguagem, no desenvolvimento sensorial dos órgãos fonoarticulatórios e no desenvolvimento da alimentação, a Fonoaudiologia utiliza os equipamentos que essa técnica de tratamento traz como recurso para a estimulação global da criança, desenvolvendo novas estratégias terapêuticas com ferramentas de acordo com o perfil sensorial de cada criança.

Indicações: autismo, paralisia cerebral, apraxia, síndromes.

A estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS) é uma modalidade simples no campo da eletroterapia, um recurso não invasivo utilizado em diversos casos clínicos no combate a dor, promoção do relaxamento muscular, melhora da vascularização no local de aplicação e efeito significante sobre o quadro de fadiga e redução da hiperatividade muscular. A fonoaudiologia pode se beneficiar e apresentar resultados satisfatórios com esta técnica aliada à terapia convencional. Estudos demonstram resultados favoráveis do uso da eletroestimulação na melhora da qualidade vocal e da deglutição de pacientes na clínica fonoaudiológica. (JK de Oliveira Santos, ACC Gama, KCA Silvério).

Indicações: paralisia facial, paralisia cerebral, apraxia, motricidade orofacial, síndromes.

Uma tecnologia não térmica, que ativa e potencializa a atividade celular provocando reações orgânicas (biológicas) e ocasionando uma melhora sistêmica no organismo. Ela já vem sendo usada por diversos profissionais com o objetivo de fornecer ao organismo energia para promover mudanças bioquímicas no meio intracelular e promover a ativação de enzimas antioxidantes, permitindo que o organismo retome sua homeostase (equilíbrio) e seu bom funcionamento. Sua aplicação na fonoaudiologia, apesar de relativamente nova, também proporciona respostas muito importantes em casos relacionados a motricidade orofacial, fala, disfagia e voz.

Indicações: paralisia cerebral, paralisia facial, apraxia, patologias que acometem sistema motor oral.

Sistema de Comunicação por Troca de Figuras (Picture Exchange Communication System): sistema para ajudar pessoas de várias idades que não conseguem se fazer entender através da fala ou que têm uma fala muito limitada.

Indicações: patologias que necessitem da comunicação alternativa ou suplementar.

Faz uso de recursos visuais na busca da independência, utilizando uma avaliação da criança, para determinar seus pontos fortes e de maior interesse, assim como suas dificuldades, a fim de  montar um programa individualizado, adaptando o ambiente para facilitar a compreensão da criança em relação a seu local de trabalho e o que se espera dela.

Indicações: autismo, paralisia cerebral

Abordagem multidimensional indicada para os transtornos motores de fala, que abrange não apenas os aspectos físico-sensoriais do controle motor, mas também os aspectos cognitivo-linguísticos e socioemocionais. Não é apenas uma técnica de tratamento para ensinar os sons da fala, pois envolve muitos aspectos. Estudos científicos comprovam sua eficácia no tratamento das desordens motoras de fala, como as apraxias de fala e disartrias.
Essa abordagem foi desenvolvida pela Dra. Déborah Hayden, fonoaudióloga americana, juntamente com seus colegas, por um período de 30 anos.

Indicações: apraxia, autismo, transtornos fonológicos, síndromes.

É um método de intervenção utilizado por fonoaudiólogos para melhorar a produção da fala, principalmente de crianças com apraxia de fala na infância. Usa do apoio de gestos para facilitar o planejamento e a programação motora da fala e pode ser utilizado também como recurso na alfabetização.

Indicações: crianças com apraxia, autismo, síndromes ou outros transtornos da fala.

Avaliações na Fonoaudiologia

• Proc (Protocolo de Avaliação Comportamental) – Jaime Zorzi/Simone Haje
• ADL (Avaliação do Desenvolvimento de Linguagem) – Maria Lúcia Menezes
• Protocolo PAD-PED (disfagia pediátrica)
• ABFW (Teste de Linguagem Infantil)
• BAYLEY – Escala de Desenvolvimento Infantil