11 de dezembro de 2019

|

por: ludens

|

Categorias: Novidades de Tratamento

Da série: “Luzes da Ludens” – a história do Pedro

Pedro é gêmeo da Ana Luiza e tem mais três irmãos além dela. Nascidos prematuros, os bebês tiveram indicação de neurologista ao sair da maternidade, com 47 dias de vida, porém, apenas aos sete meses do filho é que Cristiane ouviu pela primeira vez o diagnóstico: paralisia cerebral. Na época, ela estava investigando vários problemas e crises que não eram conclusivas pois não eram clássicas. “Foi em uma consulta com a gastropediatra que ela me disse: ‘seu filho tem paralisia cerebral e está convulsionando’. Nunca vou me esquecer dessa cena, foi como se eu tivesse perdido o chão”, relembra. “Logo depois uma cortina se abriu e consegui entender tudo o que estava se passando em nossas vidas. Fiquei muito triste, mas decidi aceitar e fazer o melhor para meu filho”, declara.

Membro de uma “grande família”, Pedro é abençoado diariamente com amor, carinho e respeito tanto dos parentes quanto dos profissionais com os quais convive desde os 4 meses de vida, quando iniciou na Ludens com a nossa fisioterapeuta Elem Torello, passando, aos 6 meses, também pela fonoaudiologia e mais adiante, aos 3 anos, pela terapia ocupacional. O atendimento multidisciplinar foi capaz de desenvolver novas habilidades, acompanhadas com o auxílio da família, sempre muito presente. “A Ludens faz parte da história de vida do Pedro e ele sempre foi acolhido e respeitado, mesmo durante o período que tinha muitas crises de choro”, conta Cristiane.

“Aceitar é o primeiro passo, para mim isso é o amor incondicional. Não faço planos, tudo o que o Pedro conquistar será um grande presente!” – Cristiane, mãe do Pedro

Além dos tratamentos clínicos, o querido paciente da Ludens vai à escola três vezes por semana e também faz fisioterapia domiciliar. Com um quadro motor comprometido, ele não tem uma deformidade devido à espasticidade. Seu cognitivo é preservado e consegue demonstrar todas suas vontades, apesar de não realizar nenhuma atividade sozinho. “Na escola, Pedro tem uma cuidadora e em casa também tenho uma ajudante”, completa a mãe. “Nosso maior desafio é durante a rotina de trabalho e das atividades domésticas, para atender todas as exigências. Ele sempre quer participar das brincadeiras e nem sempre é possível”, diz.

De acordo com a fisioterapeuta Elem, Pedro se desenvolve bem porque, além de todo o apoio e estímulo que recebe da família, inclusive dos irmãos, ele foi acompanhado pela equipe da Ludens em todo o processo de estimulação e prevenção desde bem cedo. “A condição da paralisia cerebral não impede que Pedro consiga se locomover com andador, o que o torna funcional e fez com que ele não necessitasse passar por nenhum procedimento cirúrgico”, relata.

“Pedro foi encaminhado para avaliação da fisioterapia muito pequenininho e começamos o tratamento dele com muito acolhimento, acompanhamos todos os processos, todas as questões clínicas e motoras, nos tornamos parte dessa família.” – Elem Torello, fisioterapeuta

O olhar de mãe

Cristiane foi convidada a dizer algumas palavras para outras mães que estão recebendo o mesmo diagnóstico do Pedro nesse momento, e ela finalizou com a seguinte mensagem: “Hoje consigo ver o mundo com outros olhos. Quanto mais transparência com relação à deficiência, melhor para ele. Vejo que muitas pessoas não sabem como lidar, por isso respondo sem problemas, principalmente se for criança, pois sinto que quebro uma barreira”.

É ou não é um exemplo?