140x140

Curso - O Raciocínio Clínico no tratamento das Disfunções Neurofuncionais - Elem Marta Torello - Fisioterapeuta
Curso - O Raciocínio Clínico no tratamento das Disfunções Neurofuncionais - Elem Marta Torello - Fisioterapeuta

O Raciocínio Clínico no tratamento das Disfunções Neurofuncionais.

O tratamento de reabilitação nas disfunções neurofuncionais evoluiu muito nas últimas décadas. Para um tratamento eficiente se faz necessária uma avaliação baseada em aspectos funcionais qualitativos da biomecânica e dados quantitativos provenientes de diferentes protocolos de avaliação. A decisão de quais marcos teóricos utilizar, quanto tempo de tratamento e a análise contínua durante o atendimento exige do profissional um conhecimento teórico profundo, bem como um raciocínio que une a arte, ou seja, a inteligência emocional, e a ciência. São análises rápidas, que modificam em frações de minutos e segundos o resultado de uma abordagem e o rendimento do paciente durante a sessão. O Profissional deve ter conhecimento de todos os aspectos neuro sensório motores que compõe toda e qualquer ação e conjuntamente um raciocínio rápido e eficaz.

Matéria do Blog - Raciocínio clínico: essencial no tratamento de disfunções neurofuncionais

Seu raciocínio clínico deve ser dotado de conhecimento teórico profundo de todos os aspectos neuro sensório motores que compõem toda e qualquer ação. Além disso, esse raciocínio deve unir inteligência emocional e ciência. “São análises rápidas que modificam em frações de segundos o resultado de uma abordagem e o rendimento do paciente durante a sessão”, explica Elem Torello, fisioterapeuta da Clínica Ludens.

Curso - O Raciocínio Clínico no tratamento das Disfunções Neurofuncionais - Elem Marta Torello - Fisioterapeuta

Desenvolvimento e treino

Para que o raciocínio clínico seja colocado em prática de maneira eficaz, são necessários desenvolvimento e treino de uma estrutura mental que contenha:

  •  Análise do comportamento do paciente: como ele se move e em quais condições isto ocorre. “A tendência dos profissionais é rotular um problema específico logo de início, ou já identificar primeiramente quais são os pontos fracos”, diz. “Quando analisamos cautelosamente todos os comportamentos num determinado período de tempo, temos a possibilidade de levantar hipóteses e, assim, iniciar uma linha de raciocínio coerente”, comenta a fisioterapeuta.
  •  Hipóteses: momento que o clínico inicia o processo de levantamento de possíveis segmentos e sistemas que podem causar determinados comportamentos. Para cada um, é necessário que diferentes hipóteses sejam levantadas para que o diagnóstico disfuncional não seja equivocado.
  •  Testagem: toda hipótese levantada tem que ser testada e é neste momento que o raciocínio clínico baseado em evidências começa a se fortalecer dentro do processo, com ferramentas estandalizadas. Nesta fase se faz necessária a avaliação funcional do paciente com base no sistema neuro sensório motor e o seu desenvolvimento.
  •  Análise cruzada da avaliação funcional qualitativa e quantitativa: o profissional deve orientar seu raciocínio para analisar os resultados numéricos dos testes estandalizados e sua significância nos comportamentos apresentados pelo paciente. “Isto só ocorrerá se ele tiver conhecimento de qual construto cada prova avalia e conseguir detectar onde o paciente falhou”, diz Elem.
  •  Causas: nessa fase o profissional já domina o problema primário determinante do(s) comportamento(s) que o paciente apresentou e qual o tempo de tratamento.

 Marcos teóricos para o tratamento: todo trabalho de reabilitação tem que estar embasado em evidências que mostrem resultados fidedignos. Atrelado ao processo e tão importante quanto é o “como fazer”, quais estratégias serão utilizadas para que o paciente se envolva na proposta terapêutica. “Para que haja o envolvimento, o profissional tem que desenvolver uma inteligência emocional que o coloque no controle da situação e que o faça, em minutos, modificar ações e tomar decisões. Muitos profissionais não conseguem realizar conexões importantes para o raciocínio clínico, portanto, é essencial um treinamento mais específico com o objetivo de conectar todas as vertentes do tratamento”, finaliza a fisioterapeuta.

Fonte: Notícias Ludens

Professora e Mestre Elem Marta Torello Fisioterapeuta

  • Graduação em Fisioterapia pela Universidade Estadual de Londrina (1994) Especialização Em Fisioterapia Aplicada à Neurologia Infantil (1996);
  • Mestrado em Ciências Médicas pela Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP (2000);
  • Formação Mastermind Lince (2017).
  • Coordenadora do Curso de Fisioterapia (2002 a 2013) e professora titular da disciplina de Fisioterapia Neurofuncional da Fundação Hermínio Ometto - UNIARARAS desde 1999.
  • Sócia proprietária da Clínica Ludens - Núcleo Terapêutico e de Desenvolvimento Humano.
  • Certificação Internacional nos módulos I e IV de Integração Sensorial pela University South of California.
  • Tem experiência na área de Fisioterapia, com ênfase em Neurologia, atuando principalmente nos seguintes temas: Fisioterapia, Integração Sensorial, Método Neuroevolutivo - BOBATH, Protocolo Pediasuit, atividade motora, desenvolvimento infantil e desenvolvimento motor, doenças do sistema nervoso central e periférico.

Objetivos

  1. Desenvolver capacidade de associação entre os resultados da avaliação qualitativa e quantitativa e a proposta de tratamento;
  2. Desenvolver uma ferramenta eficaz de observação e análise das ações motoras;
  3. Fomentar a análise constante das reações do paciente durante o tratamento;
  4. Capacitar os alunos para desenvolverem objetivos mensuráveis de acordo com a necessidade de cada paciente.

Programa

  • Desenvolvimento neuro sensório motor típico.
  • Controle Motor e suas contribuições para o cotidiano.
  • Conceitos de Biomecânica.
  • Avaliação funcional do paciente.
  • Apresentação sucinta das principais escalas de avaliação (Bayley, GMFM, BERG).
  • Bases de Inteligência Emocional e Couching para o atendimento.
  • Metodologia de GAS (Goal Attainment Scale, 1968)
  • Desenvolvimento de objetivos e conduta de tratamento;
  • Elaboração de relatórios.
  • Aula teórica
  • Dinâmica de grupos com vídeos
  • Debates baseados em vídeos.
  • Graduados e alunos do último ano das graduações de Fisioterapia e Terapia Ocupacional.
  • Apostila

Dias: 11 a 13 de outubro de 2018 (quinta a sábado)
Horário: das 08:30h às 17:30h / último dia das 08:30h às 12:30h
Carga horária: 20 horas
Categoria: Presencial (teórico/prática)

 

Local de Realização: Espaço Ludens - CAMPINAS
Avenida Francisco José de Camargo Andrade, 920 - Jardim Chapadão
Campinas - SP
CEP: 13070-051

INVESTIMENTO

Boleto (enviado por e-mail)
R$ 1.415,50 à vista com desconto de 5% (boleto pré-datado para o dia 10 do mês da inscrição)
R$ 1.490,00 parcelado em até 8 vezes (datas fixas para 10/02, 10/03, 10/04, 10/05, 10/06, 10/07, 10/08 e 10/09 de 2018)
DESCONTO ESPECIAL DE 10% PARA EX-ALUNO:
R$ 1.341,00 à vista ou parcelado em até 8 vezes (datas fixas para 10/02, 10/03, 10/04, 10/05, 10/06, 10/07, 10/08 e 10/09 de 2018)

AS PARCELAS SÃO DECRESCENTES COM O PASSAR DOS MESES. QUANTO MAIS PRÓXIMA A DATA DE REALIZAÇÃO DO CURSO, MENOR O NÚMERO DE PARCELAS. DEIXANDO PARA SE INSCREVER NO ÚLTIMO MÊS, O PAGAMENTO PASSA A SER EXCLUSIVAMENTE A VISTA.

O encerramento das inscrições está previsto para 1 MÊS ANTES DA DATA DE REALIZAÇÃO DO CURSO ou poderá ser antecipado caso esgotem as vagas.

 

Para melhor aproveitamento do curso recomenda-se:
• Leitura prévia sobre as Escalas de Desenvolvimento Infantil Bayley, GMFM e de Equilíbrio de BERG.

Inscreva-se aqui - Cursos Clinica Ludens