23 de julho de 2019

|

por: ludens

|

Categorias: Novidades de Tratamento

Conheça o Método Bobath

Por Priscila Trindade

 

Na década de 40, os alemães Berta Bobath (fisioterapeuta) e Karl Bobath (neuropediatra) desenvolveram o conceito neuroevolutivo a partir de experiências clínicas do casal e nos modelos de neurociência disponíveis na época. Desde então, o método vem evoluindo e se aprimorando e é hoje uma das técnicas mais utilizadas em reabilitação neurológica, indicada para bebês, crianças e adultos com disfunções motoras.

O primeiro passo para a aplicação da técnica é a avaliação, que se caracteriza por uma maneira particular de observar, analisar e interpretar o desempenho neuropsicomotor da criança. O terapeuta leva em consideração as características estruturais (sistema osteomioarticular: tônus, força muscular, encurtamentos e articulações) e funcionais (habilidades motoras que a criança realiza), além de funções sensoriais, perceptivas e cognitivas. O terapeuta também faz uma análise detalhada com relação à participação do paciente em seu ambiente familiar e social.

A partir de então, os objetivos funcionais são eleitos e por meio das técnicas de facilitação e inibição, o profissional proporciona experiências de movimento ao paciente, tornando as atividades possíveis para que os objetivos traçados sejam alcançados, ou seja, modificar os padrões de tônus anormais e facilitar padrões normais, sempre ajustando a técnica às necessidades individuais.

 

Prática

O Bobath parte de manuseios que utilizam padrões para influenciar o tônus muscular do paciente, pois através dos pontos chaves de controle, são produzidas mudanças no tônus muscular. Isto, consequentemente, irá influenciar no controle postural e no desempenho das atividades funcionais. A mudança de tônus, por sua vez, influenciará nas características neurais e não neurais. Em longo prazo, a capacidade da criança em usar as habilidades que estão sendo facilitadas dependerá da condição do sistema nervoso central (SNC) em adaptar-se a essas mudanças, incluindo a capacidade perceptiva e cognitiva do paciente no uso destas habilidades e num contexto.

Em termos de equipamentos, os mais utilizados no método Bobath são: bola terapêutica, rolo, andador, espelho e outros.