3 de setembro de 2020

|

por: ludens

|

Categorias: Novidades de Tratamento

Conheça a Estimulação Tátil Térmica Gustativa (ETTG)

Post-98_Ludens.jpg

*Por Nathalia Bertollotto – fonoaudióloga

A Estimulação Tátil Térmica Gustativa (ETTG) é uma estratégia terapêutica que envolve os sentidos (tátil, térmico e gustativo) e, dessa forma, trabalha envolvendo também aspectos sensoriais.

A ETTG tem por sua base a fisiologia do sistema estomatognático e mastigatório, que estuda a função da boca, cavidade oral e das estruturas craniofaciais a ela relacionadas. Por envolver uma região que engloba estruturas da cabeça, face e pescoço, abrange estruturas ósseas, dentárias, musculares, glandulares, nervosas e articulares que exercem funções complexas, integradas e neurovegetativas.

Na cavidade oral existem funções sensoriais que incluem as seguintes sensações: gustativa, tátil, térmica, proprioceptiva e dolorosa. Essas funções estão ligadas a receptores que enviam informações para o cérebro em forma de impulso elétrico através das células, dos nervos e músculos.

Dentre as funções motoras orais estão à sucção, mastigação, deglutição e fala. Sabemos que as crianças com alterações neurológicas possuem alterações fisiológicas e em seu desenvolvimento que acarretam comprometimento em algumas dessas funções, necessitando do tratamento fonoaudiológico para melhora de sua saúde, qualidade de vida e seu prognóstico. Além disso, crianças com outros diagnósticos ou mesmo crianças típicas podem vir a apresentar alterações motoras orais e ser indicado o uso da ETTG.

Os comprometimentos nessas funções motoras orais podem ocasionar a disfagia (alteração da deglutição – engolir), acarretando desnutrição, desidratação, risco de penetração, broncoaspiração, pneumonia e perda do prazer para se alimentar.

Para quem a ETTG é indicada

Para crianças com síndromes genéticas como a síndrome de Down, anomalias craniofaciais, paralisia cerebral, prematuridade, recusa e seletividade alimentar e paralisia facial. Além de alterações de dentárias e de oclusão, bruxismo e apertamento dentário.

O principal objetivo é estimular/incrementar a sensibilidade da região orofacial por meio de diferentes toques de pressão, alongamento de tecidos, temperaturas e sabores para favorecer a mobilidade funcional das estruturas.

As estimulações envolvem os pontos motores da face, pontos térmicos com gelo, boleadores, alimentos, estímulos táteis como vibradores, buchas e texturas, além de estímulos gustativos. Todos os estímulos visam a adequação da sensibilidade (hiperreatividade ou hiporreatividade), mobilidade e dissociação de movimentos orais para uma melhora da função.

Se seu filho apresentar alterações na deglutição, mastigação, tosses, engasgos, baixo peso, seletividade alimentar e alterações táteis, busque a ajuda de um fonoaudiólogo!

 

Post-99_Ludens.jpg