10 de setembro de 2019

|

por: ludens

|

Categorias: Cursos e Aprimoramento, Novidades de Tratamento

Congresso de Integração Sensorial na Colômbia

Por Lígia Carvalho, Terapeuta Ocupacional

É com muita satisfação e alegria que volto do V Congresso Latino-americano de Integração Sensorial cheia de novidades interessantes para dividir com vocês. Tenho plena convicção de que ajudar a difundir informação de qualidade também é nosso papel como profissional de saúde.

Com o slogan “Unindo olhares, diversificando ações”, o congresso contou com a presença de 360 profissionais da saúde de 19 países, mais 200 pais e docentes no pré-congresso, que iniciou um dia antes. No total, 560 pessoas se reuniram em Bogotá, na Colômbia, de 3 a 7 de setembro, e mostraram como a Integração Sensorial vem se desenvolvendo ao longo dos últimos anos.

Os trabalhos científicos apresentados passaram desde a proposta e importância da intervenção precoce, de modelos de avaliação que estão sendo revisados e adequados às populações dos diferentes países até a preocupação com nossas crianças que estão crescendo e se tornando adolescentes e adultos que precisam de um novo olhar para suas demandas e necessidades terapêuticas.

Destaco a apresentação do Dr. Gustavo Reinoso cujo trabalho discorreu sobre o desenvolvimento de um questionário para a medição da responsividade sensorial em crianças com diagnóstico de autismo (CMRS): propriedades psicométricas e aplicações clínicas na Argentina, Brasil e Venezuela. Na ocasião, ele apresentou as primeiras conclusões sobre o questionário para pais de crianças típicas e autistas, cuja participação da Clínica Ludens, representada e coordenada pela terapeuta ocupacional Lígia Carvalho no Brasil, teve a colaboração de 12 terapeutas ocupacionais de diferentes regiões do país e foi essencial na coleta de dados, possibilitando a análise do perfil sensorial da criança brasileira.

Mesmo o Brasil sendo representado por um importante grupo de terapeutas que utilizam a Integração Sensorial na sua prática terapêutica e que foram em busca de conhecimento de ponta para o tratamento das crianças em nosso país, mais uma vez constatamos uma triste realidade: não tivemos nenhum representante da Associação Brasileira de Integração Sensorial no evento. Infelizmente, a nossa bandeira não estava ali representada em um momento tão único e oportuno para as discussões do desenvolvimento da Integração Sensorial em países da América Latina.

Mas independentemente desse fato, o trabalho continua e algo muito importante foi plantado em nós: a necessidade de desenvolvermos mais trabalhos científicos que possam validar nossa prática, já realizada com tanta propriedade e seriedade. E não vamos medir esforços para que isso aconteça.