A simples leveza da música

 

Ela toca, anima, emociona, faz vibrar e chorar. Ela tem o dom de mexer com as pessoas de qualquer idade. Gestantes aprendem que a música acalma seus bebês lá dentro do ventre, e depois que ela continua acalmando aqui do lado de fora também. E isso é maravilhoso!

 

Na Ludens, a música é levada muito a sério há 2 anos, quando foi introduzida a Musicalização nas sessões de terapia. “Musicalizar é despertar o gosto pela música, é um ato de sensibilização onde desenvolvemos e aperfeiçoamos a percepção auditiva, coordenação motora, memorização, concentração, socialização e expressão dos pacientes”, afirma Angélica Aranha, educadora musical da clínica.

 

 

O foco é pedagógico, ou seja, ensinar canções e ritmos diferentes a fim de despertar o bem-estar, a alegria e a interação com a mente e as emoções, numa construção do conhecimento musical. No tratamento intensivo Therasuit (fotos e vídeo), a música estimula e interage com o paciente, auxiliando-o na execução dos exercícios. “Esses momentos prazerosos só a música é capaz de nos proporcionar. É mágico e pode, inclusive, amenizar dores”, completa Angélica.

 

 

“A música beneficia qualquer pessoa – com deficiência ou não – e é para todas as idades” – Angélica Aranha

Sobre a profissional

 

Angélica Aranha é educadora musical, arte educadora e cantora profissional há 18 anos. Iniciou na área da musicalização no início de 2000, após formação em Educação Artística. Trabalhou na APAE Campinas por cinco anos, tendo contato com todas as idades e etapas de ensino.

 

Atualmente trabalha com crianças na Ludens e também com idosos com demências e idosos ativos – musicalização e coral – em outra instituição, além de adultos com deficiência intelectual.